Home

Telepatia finalista do Jabuti

ana rüsche

escritora e pesquisadora

Atividades recorrentes 2021

Áreas de interesse

FICÇÃO CIENTÍFICA

Publicou A telepatia são os outros (Monomito, 2019), entre os 5 finalistas do Prêmio Jabuti e finalista do Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica. Participou ainda da antologia Solarpunk: Come ho imparato ad amare il futuro (Future Fiction, 2020), entre outros títulos.

POESIA

Monstruosidades — tudo o que já falei e ninguém nunca escutou (, nosotros, 2019), Do amor — o dia em que Rimbaud decidiu vender armas (Quelônio, 2018) e Furiosa (2016) são seus últimos livros.

NÃO FICÇÃO

Colabora para veículos especializados e crítica acadêmica sobre os temas utopias, distopias, poesia, literatura produzida por mulheres, entre outros assuntos. Lançou, com George Amaral, Manual de sobrevivência na escrita (Monomito, 2020).

ÚLTIMOS DESTAQUES

INSCRIÇÕES ABERTAS!
Lendo Margaret Atwood


Margaret Atwood e O Conto da Aia, distopias feministas e a ascensão conservadora

Curso on-line

Escola Deriva

4, 11 e 18 de fevereiro, 19h30

NARRATIVA CURTA

Na Era do Fogo
O conto faz parte do Projeto Botão Vermelho, parceria entre o Instituto Serrapilheira e o Suplemento de Pernambuco.

EBOOK
Manual de sobrevivência na escrita, de Ana Rüsche e George Amaral, pela Monomito

PARTICIPEI

Lançamento Estrela Vermelha, ficção científica do autor russo Aleksandr Bogdánov. TV Boitempo

Centenário de Ray Bradbury, projeto Livros Para Salvar do Fogo, Instituto de Cultura da PUC-RS. Com Antonio Xerxenesky e Ana Rüsche, mediação de Reginaldo Pujol

Como retomar o hábito de leitura?
Você adorava ler. Mas notou que ultimamente teu volume de leitura diminuiu. Aqui vão dicas de como retomar este hábito que faz bem ao coração >>

Ritmo é o que finca o poema no coração das pessoas
Anáfora e refrão, boas ideias para escrever poesia hoje. Comentarei O corvo de Edgar Allan Poe nas traduções da revista Escamandro, um poema de Roberto Piva e um poema meu, campos de lua >>

Divirta-se! A escrita como deveria ser
Será que a gente não pode escrever como quem sai de pijama para ir à padaria? Sem pentear cabelo, sem ligar para o chinelo?

Artigos acadêmicos, matérias de jornais, resenhas, entrevistas e episódio de podcast sobre meus textos e livros >>

Rolar para o topo